Busca avançada
  1. Home
  2. O que faz o cardiologista?
O que faz o cardiologista?

O que faz o cardiologista?

  • 4 de maio de 2022
  • 0 Curtidas
  • 33 visualizações
  • 0 Comentários

Para viver uma vida plena, além de cuidar da saúde de forma habitual é necessário realizar exames e consultas para verificar o funcionamento do sistema circulatório. E é aí que entra o médico cardiologista, que é responsável por cuidar do músculo mais importante do corpo: o coração.

Quando o assunto é saúde do coração, esse profissional é de extrema importância, visto que o cardiologista se dedica com grande responsabilidade na avaliação e diagnóstico de todo sistema circulatório.
Portanto, os médicos que atuam nesta área são responsáveis pela consulta, diagnóstico e tratamento de doenças e disfunções relacionadas ao sistema cardiovascular.
O que acontece na consulta com o cardiologista?
Quando descobrem que precisam fazer uma consulta com o cardiologista geralmente as pessoas se surpreendem, isso acontece porque as visitas a este especialista infelizmente, não faz parte da rotina de cuidados para a saúde.

Por não fazer parte da rotina de cuidados, muitas pessoas têm dúvidas de como é realizada a consulta com esse especialista. Pensando nisso, trazemos aqui alguns passos de como é uma consulta com esse profissional:
No primeiro momento o cardiologista precisa saber se a consulta vai ser de prevenção, ou se vai ser uma consulta para detectar alguma doença, por isso, o médico vai perguntar ao paciente o motivo que o levou até ali.
Caso a consulta seja de prevenção, o médico vai solicitar exames para garantir que está tudo certo, também vai pedir algumas informações para o paciente, como: se pratica atividade física, se faz uso de medicamentos, se já houve caso de doenças cardíacas na família, entre outras.
Mas, caso a consulta seja para detectar alguma doença e o paciente estiver com algum sintomas, o cardiologista além de solicitar os exames e analisará o problema descrito, para que dessa forma consiga encontrar a causa.

Quando devo procurar o cardiologista?
Em geral, pessoas que têm alguma doença cardíaca diagnosticada, como, por exemplo, insuficiência cardíaca é recomendado que vá ao médico a cada 6 meses, para que sejam feitos exames e caso haja necessidade,o tratamento seja ajustado.

É importante que você tenha em mente que não há um momento específico para consultar um cardiologista, visto que a ocasião pode variar de acordo com inúmeras situações. Porém, quando não houver o envolvimento dos fatores de risco, é recomendado que os homens realizem a primeira avaliação logo após completarem 40 anos, já as mulheres, depois dos 45.
No entanto, no caso de história de problemas cardíacos na família, homens e mulheres a partir dos 30 e 40 anos, devem ir ao cardiologista periodicamente.
Quais exames são solicitados pelo cardiologista?
O funcionamento do coração pode ser avaliado através de vários exames indicados pelo médico cardiologista, o raio X de tórax e eletrocardiograma são exemplos de exames que podem ser feitos de rotina.
Já exames como, ecocardiograma, cintilografia do miocárdio, M.A.P.A, holter e o teste de esforço, geralmente são feitos quando há suspeita de doenças específicas, como, por exemplo: arritmias ou angina.
Separamos para você 5 dos principais exames para avaliação do coração, continue a leitura e confira quais são eles:
01. Eletrocardiograma: Este é um exame que avalia o ritmo cardíaco do paciente. Ele serve para detectar arritmias ou batimentos irregulares do coração, além de avaliar alterações sugestivas de infarto novo ou antigo e sugerir alterações hidroeletrolíticas.
O eletrocardiograma é considerado um dos exames iniciais que avaliam o funcionamento elétrico do coração, assim como o raio X de tórax, o eletrocardiograma faz parte dos exames de rotina da consulta com o cardiologista.
Este é um exame rápido e indolor, e muitas vezes é realizado pelo próprio cardiologista no consultório.
02. Holter: Este exame avalia o ritmo do coração durante todo o dia e à noite, através de um gravador portátil que possui os mesmos elétrons do eletrocardiograma e outro gravador que fica preso ao corpo e registra cada batimento cardíaco.
O holter serve para detectar arritmias cardíacas que podem surgir em momentos diferentes do dia, ele também investiga sintomas de tontura, desmaios ou palpitação que podem ser causados por descompasso do coração, além de avaliar o efeito de marca-passos ou outros remédios para o tratamento de arritmias.
03. Ecocardiograma: Este exame é uma espécie de ultrassom do coração, ele detecta imagens durante a sua atividade e avalia o seu tamanho, espessura de suas paredes, quantidade de sangue bombeada e o funcionamento das válvulas cardíacas.
É frequentemente feito para investigar pessoas que apresentam inchaços nas pernas e falta de ar, sinais que podem indicar insuficiência do coração.
Este é um exame indolor e não há contraindicações, porém para pessoas com próteses mamárias, obesas, com fraturas na perna e que estão em estado grave ou entubado, a realização e, consequentemente o resultado, podem ser mais difíceis.
04. M.A.P.A: Essa é a sigla usada para Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial. Este exame permite investigar a variação da pressão ao longo do dia, quando há dúvidas se o paciente tem pressão alta, ou em caso de suspeita de Síndrome do Jaleco Branco (quando a pressão aumenta durante a consulta médica, mas não em outras situações). Também , o M.A.P.A pode ser realizado com o objetivo de verificar se os remédios para controlar a pressão estão funcionando ao longo do dia.
Embora tenham objetivos bastante diferentes, seu funcionamento é parecido com o do holter, o M.A.P.A é feito durante 24h com a ajuda de um aparelho para medir a pressão arterial no braço e um outro pequeno gravador preso à cintura que faz as medidas em intervalos determinados pelo cardiologista.
05. Teste de esforço: Também conhecido como teste da esteira ou teste ergométrico, esse exame tem o objetivo de observar alterações da pressão arterial ou do ritmo cardíaco durante a realização de algum esforço.
Ele também permite avaliar o funcionamento do coração durante o esforço, detectando presença de dor no peito, arritmias e falta de ar, sintomas que podem indicar insuficiência do coração e risco para infarto.
Além da esteira, esse exame também pode ser realizado em um bicicleta ergométrica.
A realização deste exame deve ser acompanhada por um profissional treinado e equipamentos de primeiros socorros – ainda que anormalidades durante o exame sejam raras.
Quais as principais doenças relacionadas à cardiologia?

As doenças do coração, que comprometem seu bom funcionamento, são as principais causas de mortes no mundo todo. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), são quase 18 milhões de vítimas por ano. As doenças cardiovasculares são um conjunto de problemas que atingem o coração e os vasos sanguíneos
Normalmente estão relacionadas a hábitos de vida não saudáveis, como por exemplo, falta de atividade física e alimentação rica em gordura. Conheça 4 das principais doenças do coração:
01. Hipertensão arterial: Popularmente chamada de pressão alta, esta é uma doença crônica que afeta cerca de 25% da população brasileira e está associada ao desenvolvimento dos demais problemas de saúde cardíacos.
A hipertensão arterial é uma doença silenciosa pois nem sempre apresenta sintomas específicos, e é causada na maioria das vezes pelo excesso do consumo de álcool, cigarro, alimentos com muito sódio, sedentarismo e excesso de peso.
Esta doença não tem cura, mas tem tratamento e pode ser controlada de diversas formas. O tratamento específico deve ser avaliado diretamente com um médico cardiologista.
02. Insuficiência cardíaca: Esta é uma doença muito comum e bastante grave. Ela acontece quando o coração não consegue bombear o sangue novo – rico em oxigênio – de forma suficiente para o organismo. Assim, com o tempo, os sintomas começam a aparecer.
Os principais sintomas associados à insuficiência cardíaca são cansaço progressivo, inchaço nas pernas e nos pés, tosse seca à noite e falta de ar.
Pessoas que têm insuficiência cardíaca precisam evitar o consumo de álcool, drogas e bebidas com cafeína, por exemplo, pois podem alterar o ritmo cardíaco, além de praticar atividades físicas regulares e ter uma alimentação balanceada.
O tratamento deve ser indicado pelo cardiologista, mas normalmente é feito com o uso de medicamentos para diminuir a pressão.
03. Arritmias cardíacas: A arritmia é marcada por uma sensação de batimentos acelerados. Além dessa sensação, a pessoa sente desconforto, mal-estar, fadiga, palpitações e pode até ter dificuldade para respirar. Em casos mais intensos, a pessoa pode perder a consciência.
A arritmia pode ser um sinal de algo mais grave e por isso é preciso atenção e cuidado ao ser percebida. O tratamento varia de acordo com os sintomas apresentados, mas possui como objetivo regular os batimentos cardíacos.
04. Acidente vascular cerebral (AVC) Esta doença está entre as mais fatais. Ela acontece por conta do acúmulo de placas de gordura nos vasos sanguíneos cerebrais que podem levar ao entupimento de um desses vasos.
Os sintomas geralmente são: tontura, dor de cabeça e paralisia de braço, perna e face. Dependendo do tamanho da lesão, o paciente pode ter também os processos neurológicos e a fala comprometidos.
Em casos de AVC, o socorro imediato é fundamental para reduzir as sequelas e o óbito.
Quem tem problemas cardíacos pode praticar atividade física?
A resposta é sim. Realizar exercícios também é recomendado para pacientes cardiopatas, inclusive a prática regular e adequada pode reduzir a mortalidade em cerca de 30%. É importante que o exercício seja prescrito pelo médico de forma individualizada, assim como é feito com a indicação de medicamentos.
Mitos e verdades sobre o coração: Para desmistificar e esclarecer dúvidas que cercam o órgão mais vital do corpo humano, separamos alguns mitos e verdades:
-Bebidas energéticas não alteram os batimentos cardíacos?
Falso! Uma lata dessa substância já é o bastante para que o coração se esforce mais do que o normal. A mistura dessa bebida com álcool pode ser ainda mais perigosa ao coração.
Pessoas que praticam atividade física frequentemente estão livres de doenças cardíacas.
Falso! Atividades físicas são essenciais para proteger o sistema cardiocirculatório, mas essa proteção não é 100%.
As emoções também influenciam no surgimento de doenças cardíacas?
Verdade! Alguns fatores como raiva, estresse, ansiedade, tristeza e solidão – que podem levar à depressão – são fatores de risco que influenciam no surgimento de doenças cardiovasculares.

O inverno aumenta o risco cardiovascular?
Verdade! Principalmente em idosos, cardiopatas e moradores em situação de rua têm as baixas temperaturas como agravante no risco de infartos. Mas não é só o inverno que age desta maneira no corpo: mudanças bruscas de temperatura, em geral, são prejudiciais para o coração.

  • Compartilhar:

Deixe o seu comentário