Busca avançada
  1. Home
  2. Ansiedade: quais os sintomas e como controlar?
Ansiedade: quais os sintomas e como controlar?

Ansiedade: quais os sintomas e como controlar?

  • 16 de setembro de 2022
  • 0 Curtidas
  • 403 visualizações
  • 0 Comentários

O que é ansiedade?

A ansiedade e os transtornos de ansiedade são um conjunto de doenças psiquiátricas marcadas pela preocupação excessiva ou constante de que algo negativo vai acontecer. Em especial durante as crises de ansiedade, as pessoas não conseguem se ater ao presente e sentem uma grande tensão, às vezes sem um motivo aparente.
Esse problema pode manifestar sintomas físicos também, como sudorese e arritmia cardíaca. Os transtornos da ansiedade têm sintomas muito mais intensos do que aquela ansiedade normal do dia a dia. Eles aparecem como:

  • Enxergar perigo em tudo;
  • Apetite desregulado;
  • Alterações de sono;
  • Tensão Muscular;
  • Medo de falar em público;
  • Preocupações em excesso;
  • Ficar sempre próximo de ataques de nervos;
  • Medos irracionais;
  • Inquietação constante;
  • Sintomas físicos;
  • Pensamentos obsessivos;
  • Perfeccionismo;
  • Problemas digestivos.

Quais os tipos de ansiedade?

Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC):
É associado a ações repetidas, rituais compulsivos e situações marcadas por idéias obsessivas. Geralmente, os pacientes com esse perfil têm consciência de que esse comportamento não faz sentido, mas não conseguem evitar esses pensamentos que levam a posturas prejudiciais à saúde mental. Nesses casos, é preciso buscar ajuda profissional antes que os sintomas evoluam para outras complicações.

Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG):
A pessoa não consegue relaxar, pois apresenta preocupação excessiva com a vida e em relação a tudo que envolve sua rotina: estudos, vida profissional, condições de saúde e segurança dos amigos e familiares. Esse quadro costuma resultar em sintomas emocionais que geram problemas como enxaquecas constantes, úlceras estomacais, indisposição mental e física, irritabilidade, insônia crônica e tensão muscular.

Fobia social:
A fobia social é caracterizada pelo medo intenso e desmedido de algo que não existe ou que nem mesmo representa perigo. Alguns indivíduos com esse transtorno de ansiedade apresentam um pânico inexplicável de palhaços, de estar junto a multidões ou têm pavor de animais inofensivos como minhocas.

Síndrome do pânico:
Essa síndrome pode ser desencadeada por diferentes fatores, mas geralmente ocorre sem nenhum motivo aparente. Os sintomas são muito intensos e afetam o funcionamento dos órgãos do corpo. Os sinais mais comuns durante o pânico são falta de ar, batimentos cardíacos acelerados, tonturas, dores torácicas e sensação de que a morte se aproxima.

Ansiedade por estresse pós-traumático:
As crises de ansiedades relacionadas ao estresse pós-traumático resultam da ocorrência de flashbacks e pesadelos que geraram um evento traumático no passado. Se a situação não for resolvida ou a pessoa não receber um tratamento eficiente, ela pode passar a vida toda revivendo esses episódios e sofrendo como se o fato ocorresse novamente.

Transtorno de ansiedade de separação:
Assim como o mutismo seletivo, este transtorno é mais comum em crianças, mas existem adultos com o problema também. Ele é caracterizado pelo medo ou ansiedade excessivo em relação à separação por apego, podendo ser com uma pessoa, animais com objetos e até lugares, como a mudança de casa.

Como controlar a ansiedade?

Aprendemos a controlar a ansiedade quando descobrimos seus gatilhos emocionais. Desse modo, uma das melhores ferramentas atuais para lidar com os momentos ansiosos é a psicoterapia. É possível identificar gatilhos por conta própria ou com o terapeuta.
Às vezes, os caminhos são óbvios, como o consumo excessivo de cafeína, álcool ou cigarro. Outras vezes, eles podem ser menos óbvios. Eventualmente, problemas de longo prazo como dificuldades financeiras ou relacionadas ao trabalho podem levar algum tempo até serem descobertos.

Assim, podemos ser impactados por uma data de vencimento, uma pessoa ou situação e não percebermos. Isso pode exigir algum apoio extra, por meio da terapia, ou com amigos e mentores. Quando você descobrir seu ou seus gatilhos, tente limitar sua exposição, se puder.

Entretanto, se você não consegue ou não pode reduzir o contato, como no caso de um ambiente de trabalho estressante, que não pode ser alterado no momento, o uso de outras técnicas de enfrentamento pode ajudar.

Busque sempre a ajuda de profissionais qualificados e eficazes que vão estar prontos e dispostos para te ajudar, conte com a Unicallmed para te ajudar!

  • Compartilhar:

Deixe o seu comentário