Busca avançada
  1. Home
  2. Feridas no colo do útero: quais são as causas e tratamentos?
Feridas no colo do útero: quais são as causas e tratamentos?

Feridas no colo do útero: quais são as causas e tratamentos?

  • 19 de setembro de 2022
  • 0 Curtidas
  • 386 visualizações
  • 0 Comentários

O que são feridas no colo útero?

As feridas no colo do útero,  cientificamente conhecidas como ectopias cervicais ou papilares, aparecem devido à inflamação da região cervical.

A presença de feridas no colo do útero nem sempre causa sintomas, mas em alguns casos pode ocorrer corrimento vaginal, cólicas e sangramentos, é importante consultar um ginecologista para fazer o diagnóstico e iniciar o tratamento mais adequado, que geralmente envolve o uso de remédios, pomadas ou cauterização.

Quais os principais sintomas de feridas no colo útero?

Na maioria dos casos, as feridas uterinas não causam sintomas e só são detectadas durante exames ginecológicos de rotina. No entanto, em alguns casos, alguns sintomas decorrentes da inflamação do colo do útero podem ser observados, principalmente:

Corrimento vaginal amarelado, branco ou verde;
Cólica;
Desconforto na região pélvica;
Coceira;
Dor, ardência ao urinar;

Em alguns casos, o sangramento vaginal ocorre após o sexo. É importante que a mulher consulte um ginecologista na presença desses sintomas, pois isso permite a visualização do colo do útero e é necessário um exame mais adequado para identificar a ferida uterina e sua causa.

Portanto, o diagnóstico é feito principalmente pelo Papanicolau e colposcopia, em que o útero e a ferida são observados para que seu tamanho e características possam ser avaliados.

O que pode causar feridas no útero?

As causas das feridas no colo do útero não são totalmente compreendidas, mas podem estar relacionadas à inflamação e infecção não tratada, como:

Alterações hormonais durante a infância, adolescência ou menopausa;
Alterações no útero durante a gravidez;
Lesão pós-parto;
Alergias a produtos de preservativos ou tampões;
Candidíase recorrente ou não tratada;
Infecções sexualmente transmissíveis, como HPV, clamídia, sífilis, gonorreia e herpes.

É importante determinar a causa da ferida uterina para que o médico possa indicar o tratamento mais adequado para evitar o agravamento dos sintomas, o aparecimento de complicações e a transmissão de agentes infecciosos, no caso de feridas uterinas causadas por infecções sexualmente transmissíveis .

Essa ferida pode virar um câncer?

Normalmente, ela é uma condição benigna e, sendo assim, não causa riscos à saúde da mulher, como o surgimento de um câncer, por exemplo – o que é um mito. O que pode ocorrer é o aumento de risco de infecções como clamídia, gonorreia e HPV. Por isso, é importante estar com os exames preventivos em dia e usar camisinha nas relações sexuais.

O câncer de colo de útero é um dos tumores mais comuns entre as mulheres. Por ser uma doença perigosa e silenciosa, que não apresenta muitos sintomas, ela gera incertezas nas pessoas. Isso faz com que surjam mitos que podem prejudicar quem busca informações sobre o assunto.

Como devo tratar a ferida no colo do útero?

O procedimento de combate a esta condição é indicado apenas quando a ectopia for sintomática, causando corrimento excessivo ou sangramento, do contrário, não é necessária intervenção. O processo mais comum é o da cauterização, que pode ser química ou elétrica. Assim, ela vai queimar essa ferida e, dessa forma, reduzir os sintomas da condição.

Conheça alguns mitos relacionados ferida útero:

A obesidade aumenta o risco da doença?

Mito. Estar muito acima do peso não é fator de risco para o câncer de colo uterino. Mesmo assim, é muito importante você evitar a obesidade. Ela traz diversos problemas de saúde e aumenta a probabilidade de outros tumores ginecológicos, como o de endométrio.

Só mulheres mais velhas têm câncer no colo do útero?

Mito. Embora a maioria das pacientes diagnosticadas possuam cerca de 50 anos, há no Brasil uma população cada vez mais jovem com câncer de colo de útero avançado. O tumor pode se manifestar em qualquer idade e geralmente atinge mulheres entre 25 e 65 anos que têm ou já tiveram relação sexual.

Busque sempre a ajuda de profissionais qualificados e eficazes que vão estar prontos e dispostos para te ajudar, conte com a Unicallmed para te ajudar!

  • Compartilhar:

Deixe o seu comentário