Busca avançada
  1. Home
  2. Mitomania: Cuidado! A mentira pode virar doença.
Mitomania: Cuidado! A mentira pode virar doença.

Mitomania: Cuidado! A mentira pode virar doença.

  • 26 de julho de 2022
  • 0 Curtidas
  • 589 visualizações
  • 0 Comentários

O que é Mitomania?

A mitomania é um distúrbio psicológico que torna as pessoas mentirosas compulsivas. Essa condição também é conhecida como falsas fantasias ou mentiras patológicas. A principal característica desse mentiroso patológico é que ele mente para esconder sua realidade, ao contrário de uma mentira “normal”, quando a pessoa mente para obter vantagem em determinadas situações.

Você sabia que em alguns casos, a mentira pode se caracterizar como uma doença? Na maioria dos casos, o grande motivador de contar uma mentira é o medo de falar a verdade e o temor de sofrer as consequências dos próprios atos. Só que em algumas situações o ato de mentir ocorre por outras razões.

O mitômano, ou mentiroso crônico, como é chamado o paciente com essa patologia, desenvolve o hábito de fazer isso sem nem ao menos perceber. A mentira acaba se tornando uma coisa tão compulsiva para essa pessoa que pode interferir até mesmo na sua capacidade de julgar racionalmente uma situação, independentemente de ser nos seus relacionamentos, ou na sua vida social.

O mentiroso patológico acaba se perdendo, literalmente, nas próprias mentiras e por sua vez fica sem muita noção daquilo que é realmente verdade e do que simplesmente foi algo inventado pela sua cabeça. As causas para mitomania ainda não foram descobertas, entretanto existe uma combinação entre alguns fatores que podem por sua vez, pode acabar ocasionando um quadro dessa patologia, como por exemplo, o histórico de vida da pessoa, seus laços de relacionamentos, suas experiências pessoais, o seu padrão de relação com parentes e amigos e até mesmo a sua genética pode influenciar, nesse caso.

Toda mentira compulsiva tem seu início por conta de uma mentira inocente, que na maioria dos casos está associada à necessidade de uma pessoa de obter atenção ou aceitação, principalmente em situações que possuem um potencial constrangedor.

Inicialmente, esse hábito pode ser, de certa forma, imperceptível, mas com o passar do tempo isso se torna constante, e passa a ser percebido pelas pessoas que convivem com a pessoa que sofre com a mitomania.

Uma menino cujo a mãe é violenta, por exemplo, pode inventar para os colegas como sua relação com a mãe é boa e divertida, contando sobre passeios e conversas que nunca existiram, podendo assim funcionar como um processo de alívio da dor psicológica e memorial. É importante também diferenciar a mitomania de falsas memórias, pois mesmo indivíduos saudáveis costumam distorcer suas memórias e ter lembranças muito diferentes de um mesmo evento.

É possível identificar a diferença entre mentira comum e mitomania?

Como citado acima, nem todo mentiroso, necessariamente está sofrendo de mitomania. Nesse caso, o que diferencia uma mentira convencional de um hábito compulsivo de inventar histórias é, basicamente, coisas simples como o exagero consciente da mentira.

Na maioria dos casos, ao contar uma mentira, a pessoa se sente culpada e tem um certo medo de ser descoberto, já o mitômano não.

Isso acontece porque, para ele, mentir é um comportamento normal, muitas vezes desenvolvido já na infância, que se tornou algo tão natural que chegou ao ponto de não causar nenhum remorso.

Inventar a própria versão de uma determinada história acaba se tornando uma coisa tão comum que até a pessoa que está contando acredita que aquilo é real. E na maioria dos casos não precisa ser uma grande mentira. Mesmo que se trate de algo trivial e pequeno, quem sofre com a mitomania sempre acaba dando um jeito de adaptar as informações.

E com o passar do tempo, falar a verdade acaba se tornando algo que pode gerar um imenso desconforto e estranheza para ele, mesmo que não haja nada de errado com ela.

Separamos abaixo alguns dos principais sintomas e sinais perceptíveis de pessoas que sofrem com esse distúrbio, confira:

  • Não se sentir culpado ou com medo de ser pego pelas mentiras;
  • Excesso de felicidade ou tristeza nas histórias contadas;
  • Histórias grandes demais ou detalhadas demais sem motivo aparente;
  • Muita elaboração de resposta para perguntas simples;
  • Descrição demasiada de fatos rotineiros;
  • Tendência a vitimizar ou tornar o mitômano heroico;
  • Existência de diversas versões para uma mesma história.

Quais são os tratamentos?

A mitomania tem cura, mas depende de tratamento adequado. O tratamento costuma ser uma aula psiquiátrica e psicológica para que o profissional entenda a causa da mentira e recomende mudanças de hábitos.

Em casos assim, psicólogo especialista em mitomania para que o melhor tratamento seja indicado, você pode encontrar ajuda de profissionais qualificados para te ajudar contando com a Unicallmed.

Deixe o seu comentário